Memoria Imaterial CRL
Instituto de Estudos de Literatura e Tradição - patrimónios, artes e culturas

M E M O R I A M E D I A

e-Museu do Património Cultural Imaterial

A princesa magalona

nome:
Idalina Cacito
ano nascimento:
1938
freguesia: St. Clara de Louredo
concelho:
Beja                                           
distrito:
Beja
data de recolha: Abril 2010
 
 

Dados de inventário
  • A princesa magalona
  • Beja

    “A princesa magalona”- Um rei vai para a guerra e sua mulher é enganada por um tio, ficando sem nada, e indo viver para a mata com a descendência. Anos depois dar-se-á o reencontro real e os maus serão castigados.

    Idalina Cocito; St. Clara de Louredo; Ano de nascimento: 1938; Concelho de Beja.

    Registo 2010.

Transcrição
  • A Princesa Magalona(1)

     

     

    Porque era também um rei que foi pa’ (2) guerra. E ela ficou, a mulher ficou. (…) Era o Rei Rondão. (…). - Nesse tempo, iam prá guerra, pois os reis iam prás Franças, prás Alemanhas, pa’ esses lados, pá guerra.

    E depois ela, coitadinha, ficou cá. Ficou com um tio *violento/dileito[direito]*(?),[que] ficou tomando posse dela. Depois (…) disseram que o homem que tinha morrido. Ela, coitadinha, pois ficou sem nada, puseram-na… À margem!

    E ela, pa’ onde é que ela havia de ir?! Par’(3) dent’o(4) duma... E ‘tava(5) com a bebé, ‘tava com a menina… (...) Foi, ficou na mata. Nesse tempo, havia muita mata e ficou lá, dentro de um buraco. E quem a ajudava sempre era um macaco. (…)

    Teve um menino lá, (…) mas o menino nunca saía. ‘Tava na cela, não saía com ela... (…) Bom, (…) pois se ela, coitadinha ficou lá... Do lado de lá, muitos anos, muitos anos! E depois iam lá à caça. Os caçadores iam à caça e tudo...

    Passou-se esses anos todos, já o mocinho era grande e ela, coitadinha, lá ‘tava sem roupa, sem nada… Andava só vestida com trapos e com coisas… E havia lá pêlos e essas coisas. E depois os macacos (…) faziam com pêlos e ela vestia-se com pêlos(?)... Dizia assim: - Bom... – E ‘tava despida, mas também! Pois havia de ser na mata, havia de andar despida também, pois, coitada.

    (…) O homem chegou da guerra, soube que a mulher, qu’o(6) tio qu’a(7) tinha levado prás(8) brenhas(9). Por causa disso, mandou matar o tio. E ele meteu-se em casa com um grande desgosto. Morrer com a paixão da mulher de na’(10) ‘tar. Um g’ande(11), g’ande desgosto!

    (…) Ó’ pois(12) ele, um dia, um colega dele disse assim:

    - Ai, não! Tu não te podes te pôr assim! Vamos à caça. Vamos fazer uma caçada!

     

    «Vamos fazer uma caçada» - andavam caçando, quando vêem um mocinho... - (…) O mocinho tinha aí uns dez ou catorze anos, uma coisa assim. Mas, coitadinho, andava despido aquele mocinho. - Foram fazer uma caçada, aquelas brenhas, viram o menino. Eles apanharam-no! O mocinho, ele pouco sabia falar! ‘Pois(13) eles disseram:

    - Escuta...

     

    (…) - O moço era tal e qual a cara do pai e disse assim:

    - Pareço a vossa cara!

    Disse logo outro: - Ma’(14) me’mo(15) porco e tudo! - Coitadinho, o mocinho, com aquela coisa de ‘tar lá com os bichos, com o macaco, ali...

    E ó’ pois disse-lhe: - ‘Tão?(16) ‘Tás aqui com quem?

    E ele disse: - Com a mãe...

    - Onde é que ‘tá a tua mãe?

     

    ‘Pois foram. O senhor foi. Foi tudo. Viu-a. Ela sentada, lá naquele buraco, coitadinha, muito bonita, mas já muito velhinha, já... (…) E depois ele trouxe-a! Depois ele trouxe-a e fizeram uma vida… Diziam que nessas coisas acontecia isso, né?(17) Fizeram uma vida boa, *com a bebé(?)*, casou com a mulher novamente. E mandou matar aquela gente toda que fizeram com qu’ a(18) mulher abalasse(19). Criou o filho…

     

    Idalina Cacito, Beja, Abril de 2010

     

    Glossário:

    (1) Magalona – mulher vistosa.

    (2) Pa’ – “para” (em próclise, usadode modo informal e coloquial).

    (3) Par’ - para (abreviatura oral, de uso informal e coloquial).

    (4) Dent’o dentro.

    (5) ‘Tava –estava ( pronúncia popular do verbo “estar” conjugado).

    (6) Qu’o – que o.

    (7) Qu’a – que a.

    (8) Pràs - “para as” (contração da preposição pra com o artigo ou pronome as; uso popular e coloquial).

    (9) Brinhas – brenhas (pronuncia popular).

    (10) Na’ “não” (pronuncia popular, uso coloquial).

    (11) G’ande grande.

    (12) Ó’pois “depois” (modo informal e coloquial, reprodução da pronúncia).

    (13) ´Pois – depois.

    (14) Ma’ – ‘mas’ (supressão de uma vogal, abreviatura oral, de uso informal e coloquial).

    (15) Me’mo – mesmo (pronúncia popular).

    (16) ‘Tão? - então (uso informal e coloquial).

    (17) Né? – não é? Contracção do advérbio ‘não’ e da forma verbal ‘é’ – “não é”?

    (18) Qu’ela - “que ela” (abreviatura oral, de uso informal e coloquial).

    (19) Abalasse – fosse embora.

     

     

    Referências bibliográficas e recursos online utilizados no glossário:

    http://alfclul.clul.ul.pt/clulsite/DRA/resources/DRA.pdf;http://aulete.uol.com.br;

    http://aulete.uol.com.br;http://michaelis.uol.com.br;http://www.ciberduvidas.com;

    http://www.infopedia.pt; http://www.priberam.pt;

    José Leite de Vasconcelos/Centro de Linguística da Universidade de Lisboa. Dicionário de Regionalismos e Arcaísmos (DRA). p.720.

    Nunes, José Joaquim. (1902). Dialectos Algarvios (Lingoagem do várlavento) (Conclusão). Revista Lusitana: Volume VII, Lisboa: Antiga Casa Bertrand. pp. 250.

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

Caracterização
  • Contos Maravilhosos: Ciclo “A Esposa Banida”: próxima do tipo 706 A Menina sem Mãos, fragmentada.

     

    Classificação: Isabel Cardigos (CEAO/Universidade do Algarve) em Setembro de 2011

    Fonte da classificação: Fonte da Classificação: Isabel Cardigos, Paulo Correia, J. J. Dias Marques, Catalogue of Portuguese Folktales, “F.F. Communications nº 291 “ Academia Scientiarum Fennica, Helsínquia, 2006. Elaborado a partir dos catálogos internacionais, nomeadamente o “Aarne-Thompson” (The Types of the Folktales, “F.F.C. nº 184, Helsínquia1961) e a recente reformulação de Hans-Jörg Uther, The Types of International Folktales: A Classification and Bibliography, “F.F.C. 284-286”, Helsínquia 2004.Foi utilizada a reformulação portuguesa ampliada, ainda inédita.

    Observações: O título “A Princesa Magalona” (dado pela entrevistada) está sobretudo associado a um conto novelesco derivado de livros de cordel que, aparte o registo novelesco, não se relaciona com a história lembrada por Idalina Cacito.

Identificação
  • A princesa magalona
  • Idalina Cocito
  • 1938
Contexto de produção
Contexto territorial
  • St. Clara de Louredo através da Biblioteca Municipal de Beja (contacto Cristina Taquelim).
Contexto temporal
  • Actualmente sem periodicidade certa. Encontros informais e iniciativas do Município de Beja.
Manifestações associadas
  • Transmitidas aos serões, em quotidianos de trabalho e lazer.
Contexto de transmissão
  • Estado de transmissão
    • activa
  • Contadores de histórias que participam em iniciativas do Município de Beja. São convidados na iniciativa Palavras Andarilhas. Vão a escolas, lares e bibliotecas.

Equipa responsável
  • Lénia Santos
  • José Barbieri
  • Maria de Lurdes Sousa

PCI Livro

PATRIMÓNIO CULTURAL IMATERIAL
MEMORIAMEDIA e-Museu - métodos, técnicas e práticas

+ MEMORIAMEDIA