Memoria Imaterial CRL
Instituto de Estudos de Literatura e Tradição - patrimónios, artes e culturas

M E M O R I A M E D I A

e-Museu do Património Cultural Imaterial

Resposta a um ladrão

nome:
Manuel Domingos da Silva
ano nascimento:
1936
freguesia: Nossa Senhora da Vila
concelho:
Montemor-o-Novo                                       
distrito:
Évora
data de recolha: Maio 2012
 
 

Dados de inventário
  • Resposta a um ladrão
  • Montemor-o-Novo

    "Resposta a um ladrão"- Quadras glosadas em décimas: o testemunho de José Rato, um ladrão, seguido de uma resposta.

    Manuel Silva, Ano de nascimento 1936, Montemor-o-Novo, Registo 2012.

Transcrição
  • Resposta a um ladrão

     

    Sou um tipo inteligente

    E cada vez tenho mais arte

    Quando me falta o dinheiro

    Vou roubar a qualquer parte

     

    O meu nome é José Rato

    Sou filho da Parrochinha

    Daquela triste velhinha

    Que até me beija o retrato

    Chora quando vem o fato

    Deste filho que anda ausente

    Pra roubar sou um valente

    E meto o corpo em grandes perigos

    Pra fugir aos inimigos

    Sou um tipo inteligente

     

    Eu já fui pessoa séria

    Muita gente me conheceu

    Se todos fossem como eu

    Todos conheciam a matéria

    Já me governei da féria

    Que ganhava em qualquer parte

    Hoje não há quem me farte

    Este vício de roubar

    Ainda ando a praticar

    Cada vez tenho mais arte

     

    Roubo porcos e carteiras

    A um qualquer lavrador

    Até se preciso for

    Eu cato-lhe as algibeiras

    Roubo cordões e pulseiras

    Que é um valor verdadeiro

    Não preciso de companheiro

    Nem tão pouco de camarada

    O meu cofre é a espingarda

    Quando me falta o dinheiro

     

    Eu hoje não quero que haja

    Posso falar mesmo assim

    Um fulano igual a mim

    Arrojado e com coragem

    Tendo eu armas e bagagem

    Roubo até um estandarte

    Salto o muro dum baluarte

    E arrombo qualquer prisão

    Minha sina é ser ladrão

    Vou roubar a qualquer parte

     

    José Rato, deixas fama

    O teu vício de roubar

    Eras muito mais feliz

    Se quisesses trabalhar

     

     

    Tu bem sabes que o ladrão

    Hoje é muito procurado

    Está sujeito a ser varado

    Com um tiro no coração

    Já perdeste a protecção

    E mais tarde te fazem a cama

    Muita gente reclama

    Mesmo sem lhe fazeres mal

    Na história de Portugal

    José Rato, deixas fama

     

    Tu és novo e tens virtude

    E nada vale o teu fugir

    Se andasses a produzir

    Tinhas muito mais saúde

    Hoje não há quem te ajude

    Todos te vão agravar

    Ninguém te pode salvar

    Quando for teu julgamento

    Nunca perdes um momento

    O teu vício de roubar

     

    És tu o homem primeiro

    Que foge às autoridades

    Que faz barbaridades

    E não é prisioneiro

    Deves ir pró Limoeiro

    Deves saber de raiz

    Tua sorte assim o quis

    Em sofrer esta amargura

    Se fosses boa criatura

    Eras muito mais feliz

     

    Deves ter dias e horas

    De grande arrependimento

    Quando te pões em pensamento

    Com certeza que até choras

    Como tu tinhas melhoras

    Era mudares de pensar

    Essa vida abandonar

    Que já faz um bom romanço

    Tinhas muito mais descanso

    Se quisesses trabalhar

     

    Informante: Manuel Domingos da Silva

    2012/Montemor-o-Novo

     

     

     

     

     

     

Caracterização
Identificação
  • Resposta a um ladrão
  • Manuel Silva
  • 1936
Contexto de produção
Contexto territorial
  • Montemor-o-Novo
Contexto temporal
Manifestações associadas
Contexto de transmissão
  • Estado de transmissão
    • activa
  • Em eventos culturais, excursões e actividades organizadas pela junta de freguesia ou município de Sobral de Monte Agraço

Equipa responsável
  • José Barbieri
  • José Barbieri
  • Ana Sofia Paiva


 

Visite a nova exposição virtual!

PCI Livro

PATRIMÓNIO CULTURAL IMATERIAL
MEMORIAMEDIA e-Museu - métodos, técnicas e práticas

+ MEMORIAMEDIA